Grandes exemplos: mulheres no mercado de trabalho de Surubim

Ao longo do tempo, as mulheres foram ganhando espaço e quebrando paradigmas. O próprio Dia Internacional da Mulher, 08 de março, remete à luta por melhores condições de vida e trabalho, em mobilizações históricas, registradas no início do Século 20. De lá para cá, muitas conquistas foram consolidadas, mas os desafios seguem a cada instante, diante de preconceitos ainda existentes na nossa (machista) sociedade. À parte dos percalços, exponho nesta matéria um pouco da “rotina trabalhista” de algumas das várias guerreiras encontradas em Surubim, sob o ponto de vista das mesmas.

Entre o trabalho e os estudos: Gabriella Souza, 16 anos. | Foto: Lulu/Surubim News

Tenho 16 anos e há 4 anos ajudo meu pai (Edimilson Souza) em seu escritório particular de notas. Sim! Você não entendeu errado. Desde os 12 anos, eu venho tentando conciliar ‘trabalho’ e estudo, sem contar os diversos desafios que tenho que enfrentar na adolescência. Muitas vezes preciso abdicar de várias coisas, que pessoas da minha idade gostam de fazer, para poder me dedicar aos estudos e ajudar minha família. Apesar dos obstáculos encontrados, amo conviver de maneira assídua com meu pai, tanto no recinto familiar quanto no trabalho. E só em saber que meu caráter e conhecimento foram baseados no dele e construídos a cada dia na sua presença, para mim não tem preço. – relata a determinada, Gabriella Souza.

Vendedora das Casas Bahia: Bruna Thaysa no dia a dia da sua melhor experiência de trabalho. | Foto: Lulu/Surubim News

Procuro ganhar o meu próprio dinheiro desde muito nova. Inclusive, já tive várias passagens pelo comércio local. Mas a minha melhor experiência de trabalho está sendo agora nas Casas Bahia. – conta a adorável vendedora, Bruna Thaysa.
A simpática vendedora da Real Calçados, Luana Nascimento. | Foto: Lulu/Surubim News

A simpática vendedora da Real Calçados, Luana Nascimento. | Foto: Lulu/Surubim News

Gosto muito de deixar os clientes satisfeitos, tanto pelos produtos oferecidos quanto por causa do atendimento. E se possível, também gosto de fazer amizades, unindo o útil ao agradável no ambiente de trabalho. – explica carinhosa vendedora, Luana Nascimento.
 Equipe Select: Mari, Jaciele, Karla & Gaby. | Foto: Lulu/Surubim News

Equipe Select: Mari, Jaciele, Karla & Gaby. | Foto: Lulu/Surubim News

Acho que falo em nome de todas. Gostamos muito de trabalhar com o público. É gratificante, contagiante, eu diria. Rende amizades, risos, experiências legais e boas histórias. – resume a atenciosa funcionária da conveniência Select, Jaciele Gomes.
Amanda Fernanda (de 19 anos) e seus deliciosos bolos de pote, no Centro de Surubim. | Foto: Lulu/Surubim News

Amanda Fernanda (de 19 anos) e seus deliciosos bolos de pote, no Centro de Surubim. | Foto: Lulu/Surubim News

Tenho muita disposição. Gosto de trabalhar para ajudar na renda da minha casa e também para adquirir uma grana extra. Traz amadurecimento, é ótimo. – conta a risonha vendedora de deliciosos bolos de pote, Amanda Fernanda.
A bela vendedora de Chilli Beans, Crisllainy Santana, atuando na Praça Dídimo Carneiro. | Foto: Lulu/Surubim News

A bela vendedora de Chilli Beans, Crisllainy Santana, atuando na Praça Dídimo Carneiro. | Foto: Lulu/Surubim News

A Chilli Beans possui um ambiente estiloso, jovial… Combina comigo, com minha personalidade. Por isso, eu me sinto à vontade quando estou atendendo, como se estivesse em casa. – conta a descontraída vendedora, Crisllainy Santana.
Patricia Ferreira no salão de beleza, Prime. Foto: Lulu/Surubim News

Patricia Ferreira no salão de beleza, Prime. Foto: Lulu/Surubim News

Trabalhar no ramo da beleza pra mim é uma grande oportunidade. Não só de aprendizagem, mas também me ajuda a seguir a profissão que desejo. Uma nova experiência que vem sendo vivida. Atuar nesse ramo e ver autoestimas sendo renovadas é gratificante. Também vale mencionar que minha relação com as colegas de trabalho é guiada por companheirismo e respeito, como se fizéssemos parte da mesma família. Só tenho a agradecer! – confessa a meiga auxiliar de cabeleireira do salão de beleza (Prime), Patricia Ferreira.
Mariane Araújo no seu ambiente de trabalho no Colégio do Amparo. | Foto: Lulu/Surubim News

Mariane Araújo no seu ambiente de trabalho no Colégio do Amparo. | Foto: Lulu/Surubim News

O serviço que executo permite oferecer ao outro através do contato com a língua inglesa, um mundo de infinitas possibilidades, implicando na sua própria transformação como cidadão no mundo. Sinto-me realizada porque vendo um produto de qualidade e que eu compraria. Isso me instiga e faz com que busque dar todo meu potencial no trabalho. – explica a articulada representante comercial da Bridge School (no Colégio do Amparo), Mariane Araújo.
Karine Camile exibindo uma das suas deliciosas tapiocas. | Foto: Lulu/Surubim News

Karine Camile exibindo uma das suas deliciosas tapiocas. | Foto: Lulu/Surubim News

Trabalho desde os 11 anos. E que fique claro! Não porque meus pais me obrigam nem por necessidade financeira. Mas, sim, porque sempre gostei de ser independente, apesar de ter ainda apenas 16 anos,. Bom, atualmente, sou ambulante, faço e vendo tapiocas na Rua Sete de Setembro. Gosto de trabalhar com alimentação, atender, ver o sorriso no rosto de outras pessoas. – conta a divertida, Karine Camile.

A comunicação me fascina. Gosto de relatar, informar e opinar. Portanto, pus no ar um site pra expor minha terra de uma maneira dinâmica, sob o meu prisma e o de outros autores.

Notícias Recentes