O SUS e a lógica perversa do Capitalismo!

OPINIÃO /// Precarizar o serviço público e fazer com que a mídia passe a demonizá-lo para que a população se convença de que ele não presta, sempre foi uma lógica capitalista. Lógica esta pra lá de perversa, diria Marx.
 
E com o SUS isso não poderia ser diferente. Ao passo que a saúde pública beira o colapso – este justamente promovido por essa lógica – empresas privadas, bem como planos de saúde e organizações sociais (as famigeradas OS’s), passam a figurar fortemente visando a gestão totalitária do sistema, inclusive já pensando na criação de um novo Sistema de Saúde.
 
Coincidentemente, o SUS completa 30 anos em 2018. Nos bastidores, este novo sistema pensado pelas classes dominantes – que jamais precisaram e precisarão recorrer à coisa pública, a não ser para mamar nas tetas do Estado – pretende alterar o atendimento do SUS, fazendo com que apenas metade da população seja atendida no sistema de saúde pública e universal.
 
Resumindo: essa parcela de usuários seria obrigada a contratar um plano de saúde ou pagar consultas e exames particulares.
 
Essa ideia de um novo Sistema de Saúde contraria os princípios da universalidade, gratuidade e equidade do sistema, esvazia a participação da comunidade e busca o financiamento público para os planos de saúde, especialmente na alta complexidade.
 
Fato é que o SUS nunca foi adequadamente financiado, e uma das razões, é o excesso de benefícios fiscais que os planos de saúde ganham do Estado.
 
Outro ataque que irá estrangular o SUS é a Emenda Constitucional 95, de teto de gastos, que irá congelar os investimentos em saúde, educação e assistência social pelos próximos 20 anos.
 
Ao pobre de direita, capitalista sem capital e apoiador de Estado mínimo – que mal tem noção do que isto significa -, toma que o filho é teu!

Oriundo de Teresópolis (RJ), enfermeiro, especialista em saúde mental, coordenador de um CAPS, macumbeiro, flamenguista, salgueirense e de esquerda.

Notícias Recentes